• O mercado do tradutor

    O mercado do tradutorNão, eu não me enganei no título, eu gostaria mesmo de falar aqui sobre o mercado do tradutor, e não sobre o mercado da tradução. Esse último, nós sabemos, encontra-se em plena expansão com um aumento anual próximo dos 6% e uma receita de 43 bilhões de dólares no ano de 2017, segundo o Index Translationum da UNESCO. 

    Apesar dos prognósticos pessimistas que anunciam o fim da nossa profissão como consequência do aparecimento de novas tecnologias ligadas à tradução, o tradutor permanece, ainda hoje, um ator central nesse dinâmico setor, mesmo não sendo seu principal decisor, pois é tributário dos mais diversos intermediários. Em compensação, ao observarmos a enorme quantidade de produtos e serviços que nos são oferecidos permanentemente, parece-me claro que nos tornamos também um objeto central, o alvo principal de um mercado que se constituiu dentro do mercado - certamente muito rentável pois este também se encontra em pleno crescimento.

    Admiro pessoas empreendedoras e compreendo sua necessidade de expandir seu mercado, aumentar sua receita, frutificar seu negócio, expandir-se. Recebo diariamente mensagens com propostas de serviços para tradutores como marketing, participação em seminários, venda ou atualização de ferramentas de assistência à tradução, cursos sobre temas diversos e variados, aulas de legendagem, de revisão, de aperfeiçoamento, coaching para encontrar novos clientes, e muitas outras sobre assuntos que eu às vezes até desconhecia. A criação de ferramentas informáticas, o estabelecimento de cursos, seminários, congressos, a confecção de material, tudo isso tem um custo, e esses suportes são muitas vezes necessários e deveriam supostamente enriquecer nosso trabalho, torná-lo mais simples, mais rápido, mais "rentável", mas... para quem? Pois quando nos colocamos do outro lado da relação comercial que esse negócio estabelece, a realidade é muito menos resplandescente. Não sei como são as coisas para a maioria dos meus colegas tradutores, e confesso não conhecer todos os macetes da profissão, mas tenho uma certa dificuldade em acompanhar tudo isso.

    E me permito levantar a delicada questão: quanto um tradutor deve ganhar para responder às necessidades de um mercado cada vez mais exigente? Está muito longe o tempo em que um tradutor precisava conhecer bem dois (ou diversos) idiomas para trabalhar. Hoje ele deve ser um perito em tecnologia informática muito além do conhecimento de ferramentas de assistência à tradução, um especialista em uma ou diversas áreas de competência, terminólogo, semiótico, analista... a lista é longa... pois obter a licença de uma ferramenta de assistência à tradução não basta, deve-se atualizá-la frequentemente e mesmo a atualização não é barata; as cotizações de sindicatos ou associações são anuais e o valor é alto; a mensalidade de um hospedeiro para os que se lançam na confecção de um blog também deve ser considerada; as inscrições em cursos e participações em congressos e seminários são exorbitantes, acrescentando-se a elas o custo com transporte e hospedagem na cidade onde tais eventos são realizados, sem nos esquecermos das taxas e dos impostos locais... será que um dia um tradutor consegue amortecer todo esse "investimento"? Investimos como empresários, mas somos remunerados como assalariados. 

    Adoro meu trabalho e me seguro como posso, mas não conheço nenhuma outra profissão na qual se deve pagar tanto... para trabalhar.

     

    « O sexismo em seu paroxismoLe marché du traducteur »
    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

  • Commentaires

    Aucun commentaire pour le moment

    Suivre le flux RSS des commentaires


    Ajouter un commentaire

    Nom / Pseudo :

    E-mail (facultatif) :

    Site Web (facultatif) :

    Commentaire :