• Livros publicados

      

    Em 2007, eu e minha família nos instalamos na Coréia do Sul onde vivemos durante dois anos e meio. Foi minha  primeira experiência asiática. Para uma antropóloga como eu, foi uma enorme descoberta, esse país se apresentava como um campo de estudos quase virgem, pois a abertura de suas fronteiras era relativamente recente. Com exceção dos americanos presentes desde o fim da guerra, os coreanos tinham pouco contato com o exterior. Dentre as suas diversas particularidades culturais, uma descoberta chamou muito minha atenção: os coreanos acreditam ser uma raça pura. Sendo oriunda da sociedade brasileira considerada por especialistas a sociedade mestiça por excelência, me interessei por este aspecto que considero central na sociedade coreana. No momento em que o mundo fervia e vivenciava a criação de novas sociedades através de um processo de mestiçagem cultural, linguístico e étnico, principalmente durante as grandes descobertas marítimas, os coreanos fechavam suas fronteiras e consolidavam uma forte solidariedade interna. Buscando os elementos simbólicos de sua coesão social no mito de origem personificado pela imagem de Tangun, o pai fundador, a crença na pureza de sua raça se consolidou, fazendo-os acreditar que pertencem, todos, a uma mesma linhagem de sangue. Eu me interessei em verificar, em particular, como os membros do antigo Reino Hermita, que se protegeu do contato com o exterior durante séculos, vivenciam as relações que são, hoje, obrigados a estabelecer com os estrangeiros, inclusive dentro de seu próprio território. A pesquisa efetuada gerou um livro, que chamei de "O mito da raça pura na Coréia do Sul", que pode ser adquirido no link abaixo. Espero que ele possa transportá-los comigo no País das Manhãs Calmas.

    Apresentação »
    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

    Tags Tags : , , , ,