• Curriculum Vitae

    Prefácio 

     

    As páginas que seguem são mais que um Curriculum Vitae, elas contam a história de uma vida. Através do meu percurso pessoal delineou-se o meu perfil profissional que revela a paixão por um idioma, o francês, e pelas línguas e culturas em geral.

    Todas as experiências iniciadas no modesto subúrbio da trepidante capital carioca e que hoje se encontram na tranquilidade dos bucólicos campos franceses, a descoberta do enigmático continente asiático e as aventuras da despreocupada vida estudantil nas cidades de Aix-en-Provence, Lyon e Londres, deixaram, leve ou intensamente, sua marca na visão do meu mundo. E é a esse olhar abrangente que recorro em meu trabalho como tradutora.

      

    Introdução 

    Apaixonada por culturas e idiomas, desde pequena sentia um impulso e enorme vontade de “ver o mundo”. Aos 16 anos de idade comecei a trabalhar para pagar minhas aulas de francês. Alguns anos mais tarde, depois de algumas tentativas profissionais intelectualmente insatisfatórias no Brasil, deixei o país para estudar no exterior e me instalei na França. 

    Nesse país fui progressivamente galgando as etapas de uma formação universitária até obter, em 2000, meu Doutorado em Antropologia e Sociologia.  

    Durante o período de estudos doutorais e nos anos subsequentes a defesa da minha tese quando morava na cidade de Lyon, era considerada, ali, especialista em assuntos do Brasil. Sob esse título, fui convidada para participar de congressos e seminários, contribuir com textos em publicações diversas, receber pesquisadores e homens políticos brasileiros em visita à França. Durante um ano, animei um programa na Radio Brume cujo tema era obviamente o Brasil, no qual falava sobre assuntos diversos, entrevistava artistas brasileiros, divulgava informações e eventos.

    Depois de algumas estadas em Londres, em São Paulo, em Lyon e em Busan, na Coreia do Sul, moro hoje no interior da França, em uma cidade de mil habitantes, e trabalho integralmente como tradutora. Tenho um blog através do qual divulgo textos sobre tradução, troco informações com colegas tradutores e tento manter-me atualizada no que está acontecendo no universo editorial.

    Não fiquei rica nem famosa, mas concretizei meus sonhos, realizei projetos que ultrapassaram todas as minhas expectativas. Hoje exerço minha profissão com rigor e paixão. E isso, na minha filosofia de vida, é o que eu modestamente considero um grande sucesso.  

    Formação 

    Em 1992, logo que cheguei na França, fiz um curso no Instituto de Estudos Políticos de Aix-en-Provence, vulgarmente conhecido como Sciences-Po, onde entrei em contato, pela primeira vez, com alunos do mundo inteiro e estabeleci um olhar distanciado, mais objetivo e analítico, sobre a política, em particular a política brasileira. Obtive ali, em 1993, o Certificado de Estudos Políticos.

    Nesse mesmo ano fui para Londres onde morei durante seis meses para aprender e aperfeiçoar meu inglês.

    Mais tarde, porém, considerando que as Ciências Políticas apresentam uma abordagem muito institucionalizada das sociedades, mudei de perspectiva e comecei a estudar etnologia. De volta à França, mudei-me para a cidade de Lyon, onde havia um grande centro de pesquisa especializado no Brasil, e em 1996 obtive meu diploma de Bacharel em Etnologia pela Universidade Lumière Lyon 2. Ali mesmo, em 1997, obtive meu Mestrado em Ciências Sociais. E em 2000, conquistei meu cobiçado Doutorado em Antropologia e Sociologia pela Universidade Lumière Lyon 2. A tese "Brésil, pays du futur ? Etude anthropologique de l'imaginaire collectif à travers une élection présidentielle" foi realizada sob um acordo de co-tutela com a Universidade Federal do Ceará. Ela foi defendida em dezembro de 2000 diante de uma banca composta de três professores brasileiros e três franceses, em francês e em português.

    Recentemente, em 2009, já decidida a me dedicar integralmente à tradução, fiz em 2012 um curso de especialização em Tradução Literária no Centre Européen de Traduction Littéraire, em Bruxelas, na Bélgica.

    Experiência Profissional 

    Desde 2009, quando me reinstalei na França, trabalho em tempo integral como Tradutora freelancer, traduzindo livros, websites e documentos diversos do francês e do inglês para o português. No exercício dessa profissão, especializei-me na tradução de textos na área de Ciências Humanas e Sociais. Traduzi quatro livros do francês para o português. O primeiro foi o livro “Sociologia das religiões” de Jean-Paul Willaime em 2011, que é um texto introdutório sobre o estudo das religiões na Sociologia; o segundo, traduzido em 2012, mas publicado no Brasil em 2014, se chama “O gênero nas ciências sociais – releituras críticas de Max Weber a Bruno Latour”. Esse livro é uma compilação de releituras dos grandes autores das Ciências Sociais sob uma ótica feminista. Esse estudo original foi feito sob a direção de Danielle C.-Rychter, Virginie Descoutures, Anne-Marie Devreux e Eleni Varikas; em 2014, traduzi uma obra riquíssima e complexa do historiador Paul Veyne que faz um estudo sociológico dos impérios grego e romano, seu clássico “Pão e Circo – Sociologia histórica de um pluralismo político”. Esse livro encontra-se ainda em edição; no início de 2015, traduzi “Darwin e a evolução explicada aos nossos netos”, de Pascal Picq, que foi publicado nesse mesmo ano e cujo título me parece ser suficientemente explicativo. Todos esses livros foram publicados no Brasil pela Editora UNESP.

    Traduzi também muitos artigos de colegas professores do português para o francês, publicados em revistas e livros especializados. Dentre os quais: Fraudes électorales au Brésil : au-dessus du bien et du mal, de César Barreira in "Usages sociaux de l'imaginaire et de la mémoire au Brésil et en France ", páginas 31-45, Presse Universitaire de Lyon, 2001. La colonisation du Brésil : marques de douleur et de résistance, de Neyara Araújo, Revista Textures n° 7 do Centre d'Etudes Méditerranéennes Ibériques et Ibéro-Américaines, Universidade Lumière Lyon 2, páginas  21-25, 2000. Mémoire et imaginaire du travail au Brésil, de Neyara Araújo, in "Usages sociaux de l'imaginaire et de la mémoire au Brésil et en France", páginas 107-118, Presse Universitaire de Lyon, 2001. La textualisation de la mémoire et la (ré)invention des traditions luso-afro-brésiliennes dans l’Ubamda portugaise, de Ismael Pordeus in « Usages sociaux de l'imaginaire et de la mémoire au Brésil et en France", páginas 121-138, Presse Universitaire de Lyon, 2001.

    No intervalo entre um livro e outro, trabalho para agências de tradução ou diretamente para clientes, fazendo traduções tanto do inglês para o português quanto do francês para o português.

    Durante minha estada na Coreia do Sul de 2007 a 2009, trabalhei como professora de língua e civilização francesas na Busan Foreign School, na cidade de Busan. Experiência extremamente rica e edificante, pois embora a turma fosse composta de alunos de diversas nacionalidades, a grande maioria era coreana. O particular sistema de pensamento do coreano me induziu a rever minha metodologia de ensino. 

    Durante minhas duas estadas em Lyon, de 1995 a 2001 e mais tarde de 2004 a 2006, dei aulas de português e civilização brasileiras em algumas escolas particulares da cidade, principalmente na Infolangues, na Linguarama e no Institut d'enseignement de langues. No ano de 2001, fui leitora na Universidade Lumière Lyon 2, onde dei aulas de português e civilização brasileira, e fui também documentalista do Institut d’Études Brésiliennes que se situava nesta Univesidade.

    De 2001 a 2004 trabalhei como Coordenadora pedagógica para o francês na Master Languages, em São Paulo, no Brasil. Nessa função avaliava, analisava e acompanhava os pedidos de formação feito por empresas; contratava e formava professores e era responsável por uma equipe de doze professores; e elaborei um método de ensino específico para lusófonos.

    De 1987 a 1989, logo no início da minha vida profissional, trabalhei como tradutora para a Belas Artes Cinematográficas Ltda no Rio de Janeiro, no Brasil. Eu traduzia roteiros de filmes do francês para o português escritos pelo cineasta Jean Gabriel Albicocco.

     

    Publicações de minha autoria 

    Durante meus estudos universitários e no período em que exerci a antropologia, publiquei diversos textos sobre o Brasil. No jornal Le Monde Diplomatique, abordei a comemoração do 500° aniversário do Brasil com o artigo " Le Brésil aurait 500 ans " (janeiro de 2000).

    Na revista da Association Rhône-Alpes d’Anthropologie escrevi sobre o período das eleições presidenciais, considerando-o um tempo suspenso repleto de esperanças e de promessas, durante o qual valores são revelados. Atribui-lhe o título de " Le temps de la politique au Brésil » (numéro 47, 2000).

    Na revista Textures do Centre d’Études Méditerranéennes Ibériques et Ibéro-Américaines da Universidade Lumière, também abordei os supostos 500 anos do Brasil, mas adaptando meu texto ao tema mais específico proposto por aquele organismo no texto « Les autres 500 ans » (páginas 17-19, 2000).

    Abordei, mais tarde, a grande questão da democracia no texto " L'institution imaginaire de la non-citoyenneté au Brésil : l'individu et la personne "(páginas 73-83, Usages sociaux de la mémoire et de l’imaginaire au Brésil et en France, Presse Universitaire de Lyon, 2001). Nesse texto, falo da hipocrisia dos governantes ocidentais que tentam impor de fora para dentro um modelo de governo, muitas vezes incompatível com o sistema de valores de determinadas sociedades.

    A convite da Universidade Livre de Bruxelas, escrevi o texto " Les élections au Brésil : les rites du sacré moderne " (páginas 151-162, Cahiers du GELA-IS n° 2, 2002), no qual abordo as eleições como um rito moderno, analisando o discurso de candidatos à presidência da República no Brasil.

    Em 2002, adaptei minha tese de doutorado para um público mais amplo e a publiquei, em edição independente, sob o título “ O Brasil para inglês ver”.

    Inspirando-me no Fado tropical de Chico Buarque, participei da revista virtual Autor (n° 11, 2002) com o texto « Essa terra um dia vai cumprir seu ideal ». Nele, falo das promessas de mudanças implícitas nas mensagens dos candidatos à presidência, inclusive no discurso do candidato que se reapresenta ao cargo.

    No texto «A imprensa como criadora de caso e consenso» publicado na revista Democracia Viva (páginas 74-77, Ibase) em 2002, analiso artigos da imprena escrita, usando-os como reveladores de um determinado sistema de valores.

    Em « Prática e discurso na transmissão do conhecimento no Brasil» publicado na Revista de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará em 2002, analiso livros de História utilizados nas escolas primárias brasileiras, para apreender o modo como a História é oficialmente transmitida.

    Alguns anos mais tarde, durante minha estada na Coreia de Sul, mudei não somente de tema, mas de país e continente ao me interessar pela sociedade coreana e a crença na pureza de sua “raça”. Esse interesse resultou no livro « O mito da raça pura na Coreia do Sul », publicado em edição independente em francês e em português em 2011.

    Participação em seminários e congressos  

    Também durante os anos em que exerci a antropologia, participei de diversos congressos, seminários e mesas redondas.

    Em maio de 2000, participei do seminário "Usages sociaux de la mémoire et de l'imaginaire en France et au Brésil" na Universidade Lumière Lyon 2, com o texto "L'institution imaginaire de la non-citoyenneté au Brésil : l'individu et la personne ".                  

    Em abril de 2000, participei de uma mesa redonda organizada para a comemoração do quinto centenário do descobrimento do Brasil, na Universidade Lumière, com o texto "Le Brésil aurait 500 ans".

    Em outubro de 2000, participei de um seminário organizado pelo Centre de Recherches et d’Etudes Anthropologiques de Lyon com um texto sobre a anthropologia política no Brasil.

    Em novembro de 2000, participei do seminário "Démocratie et politique dans le Brésil d'aujourd'hui" na Universidade Libre de Bruxelles, com o texto "Les élections au Brésil : les rites du sacré moderne".

    Em fevereiro de 2001, dei uma conferência intitulada “Le regard éloigné” na sede da Associação Kelkemos em Lyon.

    Elaborei e apresentei o discurso de recepção da então Prefeita da cidade de São Paulo Marta Suplicy em visita oficial em Lyon em 2001.

    E trabalhei voluntariamente como intérprete para diversos homens políticos e professores universitários em visita em Lyon dentre os quais o então presidente do Partido dos Trabalhadores José Dirceu. Encontrei-me com o então presidente Fernando Henrique Cardoso em visita à cidade de Lyon, na França.

    Idiomas 

    O português é minha língua materna. Falo o francês fluentemente aprendido desde pequena e praticado cotidianamente nos vinte anos de convívio e residência na França. Possuo um ótimo nível de inglês aprendido na Inglaterra, e praticado nos dois anos e meio em que morei na Coreia do Sul. O inglês era meu idioma de trabalho. Possuo algumas noções de espanhol, leio, entendo, mas não escrevo nem falo com fluência.

    Realizações 

    Tenho um blog franco-brasileiro sobre traduções que tem recebido cada vez mais visitas. Animei semanalmente um programa na Rádio Brume durante todo o ano letivo de 1995, cujo tema era o Brasil.

    Morei em diversos países, a saber, o Brasil, a França, a Inglaterra, o Portugal e a Coréia do Sul. Mas conheci em viagens curtas o Marrocos, a Jordânia, a Síria, o Vietnam, a China, a Thailândia, o Japão, a Argentina, a Espanha, os Países Baixos, o Canadá, a Suiça, a Itália, a Alemanha, a Hungria, a Áustria e a Eslováquia.

    Trabalhei como voluntária para algumas ONGs e associações humanitárias, dentre as quais o Secours populaire e a Amnistie International na França. Organizei uma exposição de fotos do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado cujo dinheiro arrecadado foi enviado para a criação de escolas no Brasil.   

     

    Informática 

     Prática corrente de Word, Excel et Internet. 

     

    Bibliografia 

     

    ARAÚJO Neyara, La colonisation du Brésil : marques de douleur et de résistance, Revista Textures n° 7 do Centre d'Etudes Méditerranéennes Ibériques et Ibéro-Américaines du Département des Langues Romanes, Universidade Lumière Lyon 2, páginas 21-25, 2000.

    ARAÚJO Neyara, Mémoire et imaginaire du travail au Brésil in Usages sociaux de l'imaginaire et de la mémoire au Brésil et en France, páginas 107-118, Presse Universitaire de Lyon, collection CREA, 2001.

    BARREIRA César, Fraudes électorales au Brésil : au-dessus du bien et du mal in Usages sociaux de l'imaginaire et de la mémoire au Brésil et en France, páginas 31-48, Presse Universitaire de Lyon, collection CREA, 2001.

    C.-RYCHTER Danielle, DESCOUTURES Virginie, DEVREYX Anne-Marie, VARIKAS Eleni, O gênero nas ciências sociais – releituras críticas de Max Weber a Bruno Latour, Editora UNESP, São Paulo, 2015.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, Le Brésil aurait 500 ans, Le Monde Diplomatique,  Paris, janeiro de 2000.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, Le temps de la politique au Brésil, revista da Association Rhône-Alpes d’Anthropologie, numéro 47, Lyon, 2000.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, Les autres 500 ans, revista Textures do Centre d’Études Méditerranéennes Ibériques et Ibéro-Américaines, páginas 17-19, Universidade Lumière Lyon 2, 2000.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, L'institution imaginaire de la non-citoyenneté au Brésil : l'individu et la personne in Usages sociaux de la mémoire et de l’imaginaire au Brésil et en France, páginas 73-83, Presse Universitaire de Lyon, 2001.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, Les élections au Brésil : les rites du sacré moderne, Cahiers du GELA-IS n° 2, páginas 151-162, l’Harmattan, Paris, 2002.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, O Brasil para inglês ver, edição independente, 199 páginas.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, Essa terra um dia vai cumprir seu ideal, revista virtual Autor, n° 11, 2002.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, A imprensa como criadora de caso e consenso, revista Democracia Viva, Ibase, páginas 74-77, Rio de Janeiro, 2002.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, Prática e discurso na transmissão do conhecimento no Brasil, Revista de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará, 2002.

    PEREIRA MARTINS Lineimar, O mito da raça pura na Coreia do Sul, edição independente, 2011. 

    PICQ Pascal, Darwin e a evolução explicada aos nossos netos, Editora UNESP, São Paulo, 2015.

    PORDEUS Ismael, La textualisation de la mémoire et la (ré)invention des traditions luso-afro-brésiliennes dans l’Umbanda portugaise, in Usages sociaux de l'imaginaire et de la mémoire au Brésil et en France, páginas 121-138, Presse Universitaire de Lyon, collection CREA, 2001.

    VEYNE Paul, Pão e Circo – Sociologia histórica de um pluralismo político, a ser publicado pela Editora UNESP, São Paulo.

     

    WILLAIME Jean-Paul, Sociologia das religiões, Editora UNESP, São Paulo, 2012.