• Grandeza e miséria dos tradutoresGrandeza e miséria dos tradutores é o título de um artigo publicado na revista francesa Le Nouvel Observateur há duas semanas. Ele transmite alguns dados - contestados por alguns - sobre a profissão de tradutor aqui na França, que achei interessante compartilhar para que pudéssemos utilizá-los, a título comparativo, na avaliação da condição do tradutor no Brasil. Eu, pessoalmente, não tinha elementos para avaliar o texto, mas tomei as informações transmitidas como referências de uma profissão tão vasta e diversificada como a nossa. E acima de tudo, esse artigo tem o grande mérito de chamar a atenção para uma profissão tão pouco conhecida, frequentemente esquecida ou até mesmo negligenciada. Eu me senti um pouco menos sozinha aqui no meu canto... 

    De acordo com o artigo do jornalista Jacques Drillon, oito em cada dez tradutores são na verdade tradutoras; os tradutores técnicos são frequentemente empregados assalariados em empresas ou agências especializadas com uma remuneração que varia de 16.000 a 90.000 euros brutos por ano; os tradutores editoriais são independentes e devem publicar seis ou sete livros aproximadamente por ano para obter uma renda correta; comparativamente, na Alemanha  - segundo o jornalista - um tradutor deve publicar três ou quatro vezes mais para viver de seu trabalho; cada ano 150 profissionais entram no mercado de trabalho na França, dentre os quais 80 traduzem do inglês.

    Ele continua afirmando que nessa profissão "é raro ter regra, a regra é a negociação". E que a remuneração dos tradutores sofreu uma queda de 15 à 30% aqui na França nos últimos 15 anos apesar de uma revalorização calculada por alguns editores de aproximadamente 10%. Essa baixa deve-se principalmente ao modo como o trabalho efetuado é calculado, totalmente transtornada com o surgimento dos computadores como ferramenta de trabalho. Antes, quando datilografava-se na máquina de escrever, a base de cálculo era uma lauda de 25 linhas, o editor contava o número de laudas realizadas para pagar seu tradutor. Com a chegada dos editores de texto e a possibilidade de contar palavras, os editores eliminaram os espaços, o que engendrou uma mudança no cálculo e uma queda considerável no valor final. 

    Fiquei surpresa ao ler que, de acordo com o jornalista, alguns tradutores recebem seu cheque somente depois da publicação do livro e não depois da entrega do trabalho efetuado. Felizmente, pessoalmente, nunca vivenciei tal situação, espero honestamente que não seja uma prática comum.

    Uma informação que gerou polêmica quando publiquei esse post em francês em fóruns de discussão diz respeito ao número de palavras traduzidas em um dia de trabalho. Segundo o jornalista, alguns tradutores traduzem 1000-1500 palavras por hora, outros 200-400, o que representa uma grande disparidade em termos de produtividade. 

    Outra informação surpreendente concerne a correção ou revisão do texto. O jornalista diz que algumas traduções não são relidas por um outro profissional, sendo publicadas diretamente após a tradução. Ele menciona o caso da publicação de "Millênio" que continha centenas de erros grosseiros em sua tradução para o francês. Não li o livro, não tenho elementos para julgar, mas lamento pelo tradutor. Parece-me muito complicado criticar sem conhecer as condições em que tal trabalho foi efetuado, o prazo que lhe foi dado, o que foi negociado enfim. 

    Para terminar o jornalista afirma que o tradutor é um autor, que seu nome deve aparecer na capa ou pelo menos constar em algum lugar do livro, e que ele detém um direito moral inalienável sobre seu trabalho. Será que esse princípio realmente se aplica na prática e de que maneira?

    Dentre as diversas reações a esse artigo, muitos comentaram o número de palavras traduzidas por hora considerando impossível atingir as 1000/1500 informadas; outros tradutores franceses reagiram à questão do "direito moral inalienável" e me informaram que aqui na França os tradutores podem pedir para reler o texto após correção já que é seu trabalho que será lido e é a sua competência que estará em evidência. De um modo geral, houve um consenso sobre a imprecisão dos dados. Em todo caso, as informações transmitidas e as reações provocadas constituem, juntos, elementos instrutivos para compararmos e avaliarmos a condição da nossa profissão no Brasil e em diferentes partes do mundo. 

    Fontes usadas pelo jornalista: "La Condition du traducteur", de Pierre Assouline (CNL, 211) e uma pesquisa realizada em 2010 pelo Sindicato nacional dos Tradutores profissionais.

     Obs: Para os que lêem francês, um tradutor deixou um comentário muito interessante em "Grandeur et misère des traducteurs" aqui mesmo nesse blog.

     

    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

    3 commentaires
  • A particularidade da língua piraha Semana passada assisti a um documentário no canal franco-alemão ARTE extremamente fascinante. Ele continha tanta informação que encontrei uma certa dificuldade em escolher através de que ângulo comentá-lo.

    Ele abordava as particularidades da língua pirahã, falada pelos Pirahãs, um grupo étnico que vive nas bordas do Rio Maici na Amazônia brasileira com nenhum ou pouquíssimo contato com outros grupos étnicos, ainda menos com membros da sociedade nacional de quem têm medo. Ele começa com a experiência do professor Daniel Everett da Universidade de Berkeley, Califórnia, que viveu dez anos com os Pirahãs nos anos 1970, onde fez uma descoberta revolucionária pois ela enternece a teoria do sistema único de linguagem construída pelo grande linguista Noam Chomsky nos anos 1950, até então nunca questionada. Vou tentar resumir aqui algumas das particularidades da língua pirahã que conduziram a tal polêmica:

    A língua pirahã é falada somente pelos aproximadamente 300 Pirahãs que compõem, hoje, essa etnia; os Pirahãs falam somente essa língua; ela pode ser falada, cantada, assuviada ou sussurrada; uma única palavra tem vários significados diferentes, é o ton com a qual ela é pronunciada que distingue o sentido atribuido; ela não possui números ou qualquer sistema de cálculos nem vocabulário para cores mas possui um nome para todas as espécies vegetais e animais da floresta onde vivem, que permite descrever com detalhe as propriedades de cada planta e o modo de vida do menor inseto ou ser vivo ali presente; ela não possui conjunções; uma mesma palavra designa o pai e a mãe, os pirahãs possuem um sistema de parentesco extremamente simples, não havendo vocabulário para designar relações além dos pais e irmãos. E o aspecto mais controverso que gerou a teoria que engendraria a polêmica consiste na constatação de que a língua pirahã não possui passado nem futuro, ela é conjugada somente no presente.

    De acordo com a interpretação desse pesquisador, os Pirahãs vivem absolutamente no presente, eles concentram seu espírito e pensamento em suas necessidades imediatas sem remorsos sobre o passado nem angústias sobre o futuro. Consequentemente essa língua seria não-recursiva. É a impossilidade de recursividade de uma língua que contraria a teoria central de Noam Chomsky totalmente fundada na ideia de uma gramática universal. Para esse linguista, a capacidade linguística da gramática estaria inscrita no genoma humano. Ela seria o componente científico da linguagem. E essa faculdade da linguagem humana se resumiria, por sua vez, na universalidade da recursividade. 

    Ao afirmar que a língua dos Piranhãs não apresenta a possibilidade recursiva, assume-se então que a linguagem não é necessariamente recursiva. Ê a cultura em total simbiose com a natureza e dominada pelo sentimento de felicidade que formata a língua pirahã. O que leva a constatação que a cultura afetaria não somente as palavras mas também a gramática de uma língua. O que, por sua vez, desmente a ideia da universalidade da gramática tal qual ela havia sido até então concebida, que constitui o principal pilar da teoria fundadora de Chomsky.

    Pelo que pude entender no documentário, essa polêmica ainda está no ar pois Everett encontra imensas dificuldades para apresentar o resultado de suas pesquisas no mundo acadêmico. Mas o que me fascinou foi perceber que suas descobertas vão muito além de sua vertente linguística e da polêmica universitária na qual se encontra. Elas atingiram esse pesquisador no seu mais profundo ser. O então missionário Daniel Everett que foi morar na Amazônia para evangelizar os Pirahãs acabou sendo convertido por eles. A perceptível e contagiante felicidade dominante nessa comunidade tornou sua missão inútil e obsoleta pois o que representa a ideia de "um mundo melhor" implícita nas promessas de salvação para um povo que é feliz aqui e agora? A surpreendente consequência dessa experiência transformadora é saber que esse ex-missionário convicto afirma hoje ser ateu. O feiticeiro enfeitiçado.  

    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

    votre commentaire
  • Tropeços nos trópicos Tropeços nos trópicos é o título do livro do americano Michael Kepp que reúne algumas de suas crônicas publicadas nós últimos anos na Folha de São Paulo. Além do atraente título, foi o subtítulo do livro que chamou minha atenção: "crônicas de um gringo brasileiro". Nelas, Michael Kepp confessa alguns dos seus pequenos pecados ordinários, muitos deles associados, de uma forma ou de outra, às diferenças culturais vivenciadas por um missouriano no Rio de Janeiro, onde mora há quase trinta anos. E foi justamente o olhar de um americano sobre a minha cidade natal que me interessou particularmente. Intrigou-me saber o que o levou ao lugar que eu mesma deixara vinte anos atrás.

    O livro possui uma linguagem agradável que implica uma proximadade com o leitor, seu autor se desnuda ao contar, inclusive, algumas de suas experiências íntimas. Característica que eu aprecio particularmente pois anos de estudos "científicos" me formataram para fazer exatamente o contrário, ou seja, criar uma distância com o texto para evitar, justamente, que o leitor detecte o ponto de vista pessoal do autor. Apesar de tê-lo comprado para meu marido francês com a esperança de convencê-lo a voltarmos para o Brasil, percebi, ao terminar o livro, que foi um outro aspecto da leitura que me marcou.

    Nesses vinte anos que deixei o Rio tenho tido uma relação estreita com a França e os franceses. Conheço bem o ponto de vista deles sobre o Brasil, suas reações ao visitarem o país, o que eles adoram e o que detestam em nosso comportamento. Através da leitura desse livro, pude constatar, mesmo que superficialmente, que as observações críticas e os afetos de um americano com relação aos brasileiros são muito próximos aos dos franceses.

    O que levou-me à teoria construída por Philippe Nemo sobre a existência de uma cultura ocidental comum (o ocidente ao qual me refiro, aqui, seria a sua noção política e não geográfica). De acordo com esse autor, essa cultura ocidental teria sido estruturada em cinco momentos essenciais que foram: a invenção da ciência pelos gregos, a do direito privado e do humanismo por Roma, a profecia ética e escatológica propagada pela Bíblia, a revolução papal dos séculos XI e XIII e enfim o que conviu-se chamar de "as grandes revoluções democráticas modernas". Esses cinco momentos evolucionários teriam provocado, segundo Nemo, uma mutação sem precedentes nas relações humanas constituindo uma cultura comum às sociedades que foram palco de tais eventos, mesmo que anacronicamente. Essas sociedades são as que compõem a Europa e a América do Norte.

    Embora nós, latino-americanos, sejamos considerados culturalmente próximos do ocidente por termos vivenciado um ou outro dos eventos acima descritos devido, também, ao fato de sermos produto de uma colonização europeia, não somos, contudo, membros integrantes desse grupo. O que engendraria, então, as diferenças culturais entre o norte e o sul, o estranhamento e a atração compartilhada entre americanos e europeus quando encontram-se nos trópicos.

    Claro que esse atalho analítico é superficial e resumido ao extremo. Meu objetivo é abrir uma discussão. Termino, então, esse pequeno post com uma provocação. Quem sabe não cheguemos à irônica conclusão, algum dia, que os franceses e os americanos possuam mais em comum do que sua relação recíproca de amor e ódio gostaria de admitir?... 

    Tropeços nos trópicos - crônicas de um gringo brasileiro, RJ, Editora Record, 2011.

    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

    votre commentaire

  • Muitos talvez não saibam, mas nossa profissão é frequentemente subestimada ou mesmo desvalorizada por aqueles que acreditam que falar mais de um idioma é critério suficiente para a realização de uma boa tradução. Participei de muitos fórums de discussão com pessoas de diversas partes do mundo que abordavam esse assunto e pude constatar que esse equívoco é um fenômeno universal. Não vou me aprofundar agora nessa questão mas compartilhar um vídeo que resume e reverte brilhantemente essa visão errônea que infelizmente ainda predomina. Apreciem a fineza com a qual o seu autor, Erik Skuggevik, da Norwegian Association of Literaty Translators, manipula as palavras, as frases, o verbo (produzido por Iver Grimstad): 

    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

    votre commentaire
  • Publicação de "O mito da raça pura" no BrasilEm 2007, eu e minha família nos instalamos na Coréia do Sul onde vivemos durante dois anos e meio. Foi minha  primeira experiência asiática.

    Para uma antropóloga como eu, foi uma enorme descoberta, esse país se apresentava como um campo de estudos quase virgem, pois a abertura de suas fronteiras era relativamente recente. Com exceção dos americanos presentes desde o fim da guerra, os coreanos tinham pouco contato com o exterior. Dentre as suas diversas particularidades culturais, uma descoberta chamou muito minha atenção: os coreanos acreditam ser uma raça pura. Sendo oriunda da sociedade brasileira considerada por especialistas a sociedade mestiça por excelência, interessei-me por este aspecto que considero central na sociedade coreana. No momento em que o mundo fervia e vivenciava a criação de novas sociedades através de um processo de mestiçagem cultural, linguístico e étnico, principalmente durante as grandes descobertas marítimas, os coreanos fechavam suas fronteiras e consolidavam uma forte solidariedade interna. Buscando os elementos simbólicos de sua coesão social no mito de origem personificado pela imagem de Tangun, o pai fundador, a crença na pureza de sua raça se consolidou, fazendo-os acreditar que pertencem, todos, a uma mesma linhagem de sangue. Foi essa perspectiva que eu me interessei em verificar, principalmente hoje, quando os membros do antigo Reino Ermita, que se protegeu do contato com o exterior durante séculos, são obrigados a estabelecer relações com os estrangeiros que se instalam, cada vez mais numerosos, em seu próprio território.

    A pesquisa, as observações e as entrevistas realizadas durante esses dois anos gerou um livro que chamei de "O mito da raça pura na Coréia do Sul". É um livro para neófitos, introdutório, sem pretensões, um olhar mais do que um estudo. Eu o havia publicado primeiramente na Coreia em 2009, em francês, e mais tarde o publiquei também aqui na França. Em 2011 decidi traduzi-lo para o português mas sua comercialização era feita através da Amazon sediada na Inglaterra, o que implicava um custo de envio muito alto. Hoje pude, enfim, colocá-lo em um site brasileiro, o Clube dos Autores, a pedido de uma professora da USP que o recomendou a seus alunos.

    Espero que esse pequeno livro possa transportá-los comigo no País das Manhãs Calmas

    https://clubedeautores.com.br/book/150831--O_mito_da_raca_pura

    Partager via Gmail Yahoo! Blogmarks

    votre commentaire


    Suivre le flux RSS des articles de cette rubrique
    Suivre le flux RSS des commentaires de cette rubrique